Filmes Cinema Mudo

Nosferatu - 1922


Postada em 21/06/2022 às 23:13
Por Fabio Minami HWC


"Nosferatu"

Nosferatu, Eine Symphonie des Grauens

Terror

Filme alemão de 1922 considerado uma referência no gênero terror e do Cinema Expressionista Alemão. Foi baseado no livro "Drácula" de Bram Stroker, tendo parte do seu roteiro alterado como os nomes dos protagonistas, devido à questões autorais. Este filme foi pioneiro em técnicas e estabeleceu padrões cinematrográficos de suspense, terror  e concepção visual que têm sido utilizados até hoje. A trama foi dirigida por Friedrich Wilhelm Murnau e o roteiro é de Henrik Galeen

No filme o agente imobiliário Hutter (Gustav von Wangenheim) viaja até os Cárpatos para vender o castelo do conde Graf Orlock (Max Schreck). Por trás do assustador conde se manifesta um vampiro sanguinário que apaixonado por Ellen a jovem esposa de Hutter, se muda para Bremen, Alemanha. Sua presença espalha o terror e o pânico na região. Orlok, interpretado por Max Schreck, é a presença marcante do filme. Ele faz parte daqueles personagens cinematogáficos que são reconhecidos pela sua silueta. Nosferatu possui uma  aparecência careca abobadada, orelhas pontudas, ombros curvados, corpo magro e garras serpenteantes, além da pele muito branca, enormes sobrancelhas espessas, olhos encovados, nariz adunco e incisivos de roedor no centro da boca, diferente dos caninos afiados possuídos por vampiros de filmes posteriores

Essa imagem assustadora de Nosferatu tem influência direta do produtor do filme, Albin Grau. Estudante de ocultismo, ele escreveu um artigo afirmando que, durante a Primeira Guerra Mundial, um camponês sérvio lhe contou sobre seus próprios encontros com vampiros e que seu pai era um morto-vivo ou Nosferatu, como os vampiros são chamados na Sérvia. Em 1921, Grau montou um estúdio independente, Prana Film, e trabalhou em colaboração com Murnau como designer de Nosferatu. Sem filmes de vampiros anteriores para copiar ou para reagir, Grau teve que imaginar algo totalmente novo tendo mantido apenas alguns elementos já presentes no romance de Stoker, como as orelhas pontudas e o nariz aquilino, alem de usar muitas lendase tradições dos mortos-vivos da tradição folclórica do Leste Europeu. Segundo documentos da pré-produção,  esboços de Orlok descreviam um alienígena magro e demoníaco com olhos brilhantes, ainda mais assustadores do que a versão do filme finalizado.

Para as filmagens, o cinegrafista Fritz Arno Wagner possuia uma única câmera a sua disposição, o que justifica a existência de apenas um único negativo das filmagens. O diretor seguiu o roteiro de Galeens a risca e adicionou apenas algumas instruções a mão e anotações referentes ao posicionamento da câmera, à iluminação e afins. Murnau preparava minuciosamente todas as cenas fazendo uso de storyboards. Para compassar as encenações dos atores, o diretor fazia uso de um metrônomo. As cenas externas foram gravadas na Alemaha, Montes Carpatos, Eslovaquie e Polônia. As cenas internas foram gravadas no JOFA-Atelier em Johannisthal (Berlin)

FILME: Nosferatu
GÊNERO: Terror
DISTRIBUIÇÃO: Film Arts Guild
PAÍS: Alemanha
ANO: 1922
DURAÇÃO: 63–94 minutos, dependendo da versão e velocidade de transferência
IDIOMA: Filme mudo e legendas em alemão
ORÇAMENTO:
RECEITA:
PRODUÇÃO: Prana Film
DIREÇÃO: Friedrich Wilhelm Murnau
ROTEIRO: Henrik Galeen
BASEADO EM: Drácula de Bram Stoker
ELENCO PRINCIPAL: Max Schreck, Gustav von Wangenheim, Greta Schröder, Alexander Granach, Ruth Landshoff, Wolfgang Heinz

CURIOSIDADES 

Pouco antes da estreia, os responsáveis publicaram na vigésima primeira edição da revista Bühne und Film ("Palco e Filme") uma matéria com o resumo do filme, fotos de cenas e dos bastidores, relatórios e análises da produção, além de um ensaio sobre Vampirismo.

A trilha sonora original de Nosferatu foi composta por Hans Erdmann para ser executada ao vivo durante as exibições. A maior parte das partituras foi perdida restando apenas instruções e anotações do compositor que permitiram reconstituições da trilha e um trecho que foi publicado sob o título "Fantastisch-romantische Suite" (1926).

Nosferatu contribuiu para transformar  F.W. Murnau em um dos mais importantes realizadores do "Cinema Expessionista Alemão"

Nosferatu também é considerado o mais famoso filme ilegal da historia do cinema. Questões legais relacionadas a direitos autorais estão no centro da disputa. O livro de Stoker chegou ao público em 1897 e, quando o filme foi exibido pela primeira vez, em 1922, a publicação já fazia parte do espólio da família do autor, que morreu em 1912 que se recusaram a vender os direitos do romace. Devido a um erro de cadastro de propriedade intelectual o livro chegou ao domínio público nos Estados Unidos enquanto na Alemanha era preciso pagar para utilizá-lo em uma adaptação. Drácula só entraria oficialmente em domínio público 50 anos após a morte de Stoker, em 1962.

 

Fonte: 

https://www.bbc.com

https://cinemalivre.net

https://pt.wikipedia.org

https://canaltech.com.br